Senso (in)Comum (…)

setembro 26, 2008

Meus preferidos… Super Nintendo

Filed under: Ótica,Febre — Netto @ 8:56 am
Tags: , , ,

Andei olhando esses dias minhas coisas mais antigas e lá estava, em uma caixa de sapatos, o meu Super Nintendo.

Não resisti, confesso. Peguei, montei, escolhi uns jogos e matei aquela saudade. Saudade instantânea e retrô.

Nossa, não sabia que poderia existir coisas que nos marcassem com tanta força, pois enquanto executava todo o processo de montagem e enquanto jogava fui me lembrando de coisas, muitas coisas. Resolvi então montar uma pequena lista com os jogos que mais são relevantes para mim para homenagear uma época passada.

Ai vai

10 – International Superstar Soccer Deluxe (Campeonato Brasileiro 96)

Descaradamente vou chamá-lo de Campeonato Brasileiro 96, sim senhor, pois esse que eu conheci. Era genérico (piratiado) e com um “Portunhol” terrível, mas era muito divertido. Esse jogo foi passado o português de maneira muito ruim, mas tava para mim como algo mais familiar e isso era o que valia.
Lembro que por esse jogo muitos se reuniam na casa de alguém e jogávamos por horas sem parar. Até brigas faziam parte da jogatina, mas nada que superasse o prazer que, naquela época, esse jogo dava. Era muito bom jogar com seu time do coração e poder golear o coleguinha. “Grande jogada!”

9 – Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time

Conheci as tartarugas ninjas nos jogos de fliperama e quando soube da versão para o Nintendo logo fui atrás daí conheci esse mundinho de viajes e viagens no tempo. Outro jogo que reunia uma galera, e o lance era o seguinte: “morreu!? Passa o controle.” imaginem os viciados como não eram.

8 – Contra III – The Alien Wars

Orra, que legal foi descobrir esse jogo. Quando me falaram o nome achei que fosse algo de futebol, mas não… era aventura. Peguei emprestado e fui jogar meio desconfiado, achei difícil no começo e cheio, mas as novidades no decorrer das fases me conquistaram. Um dos lances que mais me chamou a atenção, foi as fases onde a visualisação era de cima, num plano superior. Super novidade para mim – besteira para hoje – que na época me divertiu muito, sozinho, pois acabará de ganhar me SNES.

7 – Demolition Man

O jogo tem origem do filme de mesmo nome que acredito que todos já assistiram. No elenco, me lembro bem, é composto por feras como Wesley Snipes, o meio ator que só mexe metade da cara Sylvester Stallone e a belíssima Sandra Bullok. Poxa, depois de ficar tempos pensando como é que eles usavam as conchas jogar o jogo seria no mínimo mais agradável. E foi. Assim como o Contra havia no jogo telas em 3D como passamos a chamar na vila, mas essas eram muito bem feitas e foi mais um game que me roubou horas de vida. Apesar de ter poucas fases eu repeti o jogo em todos os leveis de dificuldade… tá bom, eu sei que foi exagero, mas foi assim.

6 – Mortal Kombat 3 (Ultimate)

Tudo bem, você pode dizer “mas e o Mortal Kombat 2?” Daí e eu vos digo o Mortal Kombat 3 e a sua extensão Ultimate foi minha maior febre. Minha. Imagina que eu fazia desenho dos personagens, inventava histórias, brincava imitando os personagens, apelidava os outros, enfim uma febre total. Ele trouxe mais novidades que as outras versões como os códigos que poderiam ser inseridos antes da luta começar para alterar o jogo, o Animality onde o personagem se transformava em um animal e matava o oponente, foram inseridos mais Fatalities para cada personagem e as finalizações em telas específicas. Para o SNES na versão Ultimate foi inserido os Brutalities uma nova forma de Fatality em que o lutador desferia uma seqüencia de golpes muito rápido no oponente fazendo com que no final o mesmo explodisse, além do simples botão para correr. E a galera que ia jogar lá em casa levava uns códigos para facilitar o Fatality e era só curtição daí em diante.

5 – Top Gear 2

Apesar do Mario Kart ser muito bom o jogo de corrida que me prendeu de verdade, que me conquistou de verdade foi o Top Gear 2. Esse game tinha muitas telas, era febre e todo mundo da vila tinha. Na escola havia sempre alguém comentado sobre o jogo, o que tinha feito, como tinha montado e eu não podiam ficar de fora… fui contagiado e joguei, joguei… joguei muito. Até as músicas eu lembro. Outra fato que é muito engraçado, é que no jogo há uma corrida que acontece no Rio de Janeiro e ela é muito, mas muito difícil mesmo. Chamávamos aquela corrida de o teste final. Quem jogou sabe o que digo.

4 – Earthworm Jim 2

Poxa, além de um bom jogo era muito engraçado. Mas engraçado mesmo. O verme chamado Jim fazia parte da decoração do meu caderno, das minhas piadas, das minhas comparações com os amigos e parte de muitas da minhas tardes e manhãs e da conversa com a galerinha. Sempre que alguém me perguntava sobre indicação de jogo eu dizia na lata Earthworm Jim o jogo da “minhoquinha”. A criatividade do jogo é fantástica, não há palavras para descrever e nem como tanta coisa inusitada pode ser tão legal.

3 – Super Mario World 2: Yoshi’s Island

Reservei para o terceiro lugar dessa lista um dos personagens mais “fofinhos” (como diz a minha irmã) que já ví no mundo dos games. Aliás o estilo do jogo é todo “bebê”, todo cartoo, e como ele só voltei a ver muito tempo depois no Zelda para Game Cube. O pequeno bebê Mario tem de ser conduzido pela família Yoshi para fora do mundo, mas deixá-lo cair do cavalo, Yoshi no caso, me deixava “P” da vida ele abria a boca e chorava, chorava… que chato. Mas o jogo é muito bom. Depois que descobri joguei que nem “loco” e como era moda, havia no jogo telas secretas, segredos, e bônus a serem descobertos e eu exagerado como sempre o fiz.

2 – Chrono Trigger

Em segundo lugar vem um dos jogos mais misteriosos e intrigantes que já joguei. Não há como fazer comparações, mas Chrono Trigger me conquistou de uma maneira arrasadora e impecável. O meu grande e único obstaculo na época eram a história e os textos do jogo que me fizeram aprender um pouco de uma nova língua para poder desenrolar o enredo de maneira mais clara. Chrono Trigger também foi o primeiro RPG que joguei e de cara me apaixonei pelo gênero. A minha história com o jogo é bem peculiar, eu era muito jovem e o game tinha dimensões inimagináveis, trazia também a novidade para mim de poder gravar o jogo e voltar a jogar de onde foi gravado, então joguei aos poucos, um dia um pouco, outro dia outro pouco e por aí foi… quando me dei conta já havia passado meio ano e eu não tinha feito o final… que coisa. Aí começou a febre e logo terminei. Haaa que vício.

1 – Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong – Quest

Claro que todos os jogos da série do Donkey Kong (DK) são bons, e também muitos outros jogos para o Super Nintendo, foram e são “sensacionantes”, mas para mim nenhum se comparam ao DK2.

Eu fiquei aficcionado (aficionado para quem escreve certo) por esse jogo. Confesso que passei horas jogando, horas desvendando os mistérios do jogo, horas caindo no limbo e voltando para pegar mais bananinhas, mais bônus, mais e mais e mais horas jogando e jogando. Fechei o jogo de um jeito, do outro, com um personagem, com o outro… enfim, fiz tudo que poderia ser feito nesse jogo e ele com certeza foi o que mais me divertiu e o que mais consumiu tempo da minha vida. Os gráficos para época era um dos pontos mais fortes o enredo, digá-se de passagem, era animiador. A trilha eu até tenho hoje guardada para se ter uma idéia de como gostei do DK2. Fiz o final verdadeiro, como diziam na época e me habituei a maneira de jogar de tal forma que já sentia dificuldade em nenhuma fase e posso citar várias… quantas vezes não me chamaram para ajudar a fechar o jogo, me sentia honrado, mas bom… já passou.

Fica aí o relato… de uma fase… da vida de alguém. Que até hoje é apaixonado pelo mundo dos games.

Anúncios

10 Comentários »

  1. poxa… que saudade que me deu, passava o dia inteiro jogando donkey kong, mario, TOP GEAR, saudade dos meus primos e amigos que zuavamos cada vez que um perdia, época boa que só ficará na lembrança, como o tempo passa! Ufa…

    Fabio santos
    http://fabiosantos.wordpress.com

    Comentário por Fábio Santos — setembro 26, 2008 @ 3:32 pm | Responder

  2. haaaa eu lembro que eu adorava ir na casa do meu primo só pq ele tinha um nintendo e a gente jogava o jogo do batman o/ rsrsrsrsrs, pô, isso aí é raridade…se um dia vc precisar de grana, já sabe =P

    eu tenho um CD pra playstation que tem uns 2500 joguinhos de nintendo, super nes e wii. *-*
    bjoooos

    ..
    *

    Comentário por breyla — setembro 27, 2008 @ 8:48 pm | Responder

  3. Ahhh bicho o Super marcou história, não sei a modernidade atual vai consegur ser tão divertida quanto o Super, e apesar dos jogos serem absolutamente maravilhosos acho que a coisa mais legal era justamente juntar o pessoal pra jogar junto, acho que era a melhor parte, e no meu caso, te o meu irmão que hoje mora longe, mas que sempre foi meu companheiro de jogo, ainda mais depois que vim pra Sâo Paulo, o Top Gear (o primeiro) é memorável por isso.

    Deu tanta saudade que eu voltei a jogar DK3 no emulador 😛
    (Eu ainda tenho o Super, mas não tenho DK3, senão ontava ele denovo heheh)

    Valeu Nettão!!

    Comentário por Diego — setembro 29, 2008 @ 7:19 am | Responder

  4. É… pelo que vejo não sou eu que fui na febre do SNES até as meninas tinham vez…

    rs

    Comentário por Netto — setembro 29, 2008 @ 9:00 am | Responder

  5. Foi o segundo video gama que tivemos lá em casa e quando ganhamos (anos atrás), jogávamos todos os dias (eu, minha irmã e uma amiga que ia pra lá casa). Fizemos questão de zerar o Super Mario World, comprei o Dr Mario, porque amo esse jogo e também o Mario Kart. Gostava de jogar Donkey Kong também.
    Bjitos!

    Comentário por *Lusinha* — setembro 29, 2008 @ 12:00 pm | Responder

  6. Eu tive pouquíssimos videogames. Se não me engano, um único MegaDrive. =P

    Mas eu lembro da geral que tinha SN, e eu ía pra casa dos outros jogar. Sem contar que tima emulador no computador (ainda tenho, e vira-mexe eu jogo um)… Pra mim, os que mais me maracaram, são Mario Word, MK3 e DonKey Kong…

    =P

    Comentário por M. — setembro 29, 2008 @ 12:58 pm | Responder

  7. e orkut não é vício??
    aliás, acho que muitas vidas pertencem á essa nova “facção”, o Google
    que sequestra jovens (ou não) para serem “escravos” de seus fantásticos serviços 😕
    valeu a visita…vou linkar seu blog, gostei do que li
    nossa…e o post da Pitty me lembra o dia que vi o Arnaldo Antunes na FNAC de Pinheiros
    eu quase “tietei”, mas deixei o cara ser só mais um Arnaldo, comprando seus livros e cd’s

    Comentário por Cintya — setembro 29, 2008 @ 11:54 pm | Responder

  8. putz…ontem me deu uma saudade de jogar Shinobi no Master System…
    nostalgia demais…rsrsrs
    e aquele polvo do Alex Kid? era muito engraçado

    Comentário por Cintya — setembro 29, 2008 @ 11:57 pm | Responder

  9. eu conprei um super nitendo e gostei muito do capeonato brasileiro 96 serei tudo meu time preferido eo paysadu eu sofome niguei mi vense

    Comentário por matheus dias da silva — janeiro 24, 2009 @ 7:17 pm | Responder

  10. quando estou jogando mo meu console super nitendo volto uns 15 anos atras que legal ser criança.

    Comentário por celso — junho 23, 2009 @ 3:06 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: