Senso (in)Comum (…)

março 9, 2009

Frase… William Ernest Hocking

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 10:11 pm
Tags: , ,

William Ernest Hocking
“As únicas desgraças completas são as desgraças com as quais nada aprendemos. ”

William Ernest Hocking

março 5, 2009

Senso Comum… Sem Ele Como Seria?

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 5:37 am
Tags: , , ,

Como seria viver sem o senso comum?

Já pensou nisso?
Eu sim e considero, dentro dessas minhas reflexões, que seríamos pessoas um tanto mais sinceras e puras.

Senso Comum
Sem o senso comum deixaríamos de ser conduzidos pelas idéias pré-fabricadas, deixaríamos de ganhar de presente as respostas do achismos que não foram provadas por nenhum outro meio a não ser o “só sei que é assim”.

Sem o senso comum seriamos obrigados a buscar a construção e a construir nossas próprias convicções, nossas próprias idéias, nossos próprios valores, nossa própria posição ante a tudo e assim, cada um sendo tão singular, conseguiríamos nos exprimir e nos diferenciar com muito mais nitidez. Contudo as críticas tenderiam a ser mais freqüentes e mais assertivas visto que essa capacidade é nativa dos seres humanos e acabaria por ser estimulada por essa nova natureza (sem o senso comum).

Sem o senso comum essa nossa maneira de viver morreria. Nada seria igual ao que é como vemos. Considero essa hipótese com tanta força por que o ser humano de maneira geral e histórica tem a tendência de simplificar o que está ao seu redor. Embora essa seja uma das tarefas do senso comum – simplificação das coisas – ela acaba por se instalar em vários outros campos da nossa existência como vemos no desenrolar da tecnologia que a cada dia avança mais e mais para o desenvolvimento do ser. Só que sem o senso comum deixaríamos de simplificar a essência do que está lá fora, por exemplo, saber quando iria chover não passaria apenas por olhar para o céu e reparar nas nuvens (se estavam escuras ou não), passaria sim, por estudar a atmosfera, os gases presentes nela e tudo o que existe antes deste fenômeno tão habitual.

Senso Comum
Conclusão, sem o senso comum passaríamos a ir além do observável, do tangível e iríamos “olhar além do muro”.

março 4, 2009

O Vendedor de Balões

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 11:22 pm
Tags: , , , ,

Há algum tempo, um vendedor de balões infláveis vendia seu produto em uma movimentada praça. Quando as vendas diminuíam, soltava um desses balões.

Balão - Bexiga

Ao flutuar no ar, despertava a curiosidade das pessoas e reaquecia as vendas por alguns minutos. Alternava as cores; primeiro soltava um branco, logo um vermelho e depois um amarelo.

Passado algum tempo, um menino negro puxou a manga de seu paletó, olhou nos olhos do vendedor e fez uma pergunta penetrante:

– Senhor, se soltasse uma bexiga preta ela subiria?

O vendedor de balões olhou para o pequeno com compaixão, sabedoria e compreensão e disse:

– Filho, o que os faz subir é o que está dentro deles.

Efetivamente o vendedor de balões tinha razão.

Arte com Balões - Bexiga

Pense naquilo que você carrega aí dentro de você e não se esqueça: “O que está dentro de você lhe fará subir”.

fevereiro 26, 2009

Feliz Ano Novo!!!

Filed under: Ótica,Humor — Netto @ 2:55 am
Tags: , , ,

Dizem que o ano aqui no Brasil só começa depois carnaval, então Feliz Ano Novo para todos!

E para comemorar esse grande momento uma piadinha muito bem “sacada”.

Carnaval de Rua

E aí!? Quem foi que disse que não se pode fazer uma grande festa no meio de uma grande crise?

fevereiro 20, 2009

Não gosto…

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 6:58 am
Tags: , , ,

Não gosto quando o tempo fecha enquanto estou dormindo e depois acordo no meio do temporal.

Não gosto do tempero azedo do vinagre na salada e nem do seu cheiro pesado que ele deixa na cozinha.

Não gosto quando me acordam no meio da noite pedindo suporte para conectar na internet.

Não gosto que as horas passem e o futuro se “achega” como a mudança da lua cheia para a lua minguante.

Não gosto quando vejo olhos marejados e a única ação é o silencio deixando o vazio ainda maior.

Não gosto de ficar sem graça, não gosto de graça.

Não Gosto

Não gosto quando não entendo a piada e mesmo assim dou risada, simples, sem graça e confusa.

Não gosto quando a conversa acaba e ela não me beija e nem deixa que eu o faça, daí pergunto: Será que chove hoje?

Não gosto quando o filme acaba e deixa a sensação de que ficou devendo e de que eu perdi meu tempo vendo “aquela coisa”.

Não gosto quando repito, repito e repito e ninguém entende e tempos depois contam a mesma história sem os devidos créditos.

Não gosto de ouvir: não sei, tanto faz, você que sabe, qualquer um, sei lá, pode ser… disso eu não gosto, não gosto mesmo.

fevereiro 19, 2009

Há momentos em que Deus aparece.

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 6:05 am
Tags: , ,

Ouvi certa vez que Deus nos visita, que sabe quem somos, que nos conforta e que às vezes simplesmente vem nos ver por sua própria vontade e isso reverberou em minha cabeça durante muito tempo.

Núvens

Não está em pauta aqui qualquer religião, crença ou a fé de cada um, mas a simples idéia do criador se aproximar de sua criação.
(more…)

fevereiro 13, 2009

Frase… Abraham Lincoln

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 3:06 am
Tags: , ,

Abraham Lincoln - Frase

“Não poderás ajudar os homens de maneira permanente se fizeres por eles  aquilo que eles  podem e devem fazer por si próprios.”

Abraham Lincoln

novembro 26, 2008

Você aprende?

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 4:54 am
Tags: , ,

Com tantas opções e tantas outras chances…

… será que você realmente aprende?

novembro 22, 2008

Prurido

Filed under: Ótica,Fragmento — Netto @ 7:27 am
Tags: , ,

Malzbier

Vou pegar minha Malzbier e uma folha de sulfite
Vou confessar meus pecados até não ter mais espaço no papel…
É, eu devia ter dito o que eu realmente estava pensando
E agora sei que é isso que me consome e me perturba sem parar

Mais um gole da “pretinha” que alterna seu sabor entre o doce e o amargo
O tempo castiga cada pensamento e eu ainda vou te ver outra vez
A caneta marca e afunda a folha que inocentemente aceita cada palavra
Daí o garrancho vai ficando harmonioso mesmo que solto no ar

A fome voraz de gritar não me abandona tão facilmente
Mas eu luto para me convencer em silêncio que foi apenas uma batalha
Devia ter conhecido mais, ouvido mais, entendido mais
Eu devia ter tido atitude e feito o que realmente eu queria fazer…

Mas há o momento em que o tempo passa e a Malzbier acaba
A caneta falha e a folha de sulfite vence os limites que eu imaginei
Há o tempo em que a dúvida se desfaz como se eu fosse um ser eterno e…
Eu não precisarei mais saber quem és, mas será vital tua tentação outra vez

novembro 18, 2008

Conjugação

Filed under: Ótica — Netto @ 2:55 am
Tags: , , ,

Eu pesco
Tu estudas
Ele aprende
Nós crescemos
Vós sois livres
Eles sonham

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.